30 de nov de 2010

Pensamentos gordos

Quando lemos o título acima logo ficamos em alerta e vamos correndo tentar identificar o que nos faz ser assim – pensar e se comportar gordo – Seriam as emoções?

A cada dia é mais claro a relaçõe entre a comida e o afeto, pois ficamos condicionados e/ou dependentes da comida para nos sentirmos aliviados, ou melhor tranqüilos.

Esse é um aspecto importante a ser pensado, pois deixamos de comer com a função de nos nutrirmos. Usarmos a comida como fonte de prazer imediata e aí começa um ciclo vicioso, onde todas as outras fontes de prazer são deixadas de lado e a comida acaba se tornando o eixo central da vida de uma pessoa.

Vale ressaltar que a obesidade é multifatorial, porém é certo que o nosso estado emocional influencia de forma significativa nesse processo de aumento de peso, principalmente quando existe um fator depressivo envolvido.

Existem vários gatilhos que podem estar compondo esse quadro quando citamos o lado emocional: separação, mudança de cidade (país), solidão, ausência de família, vida profissional insatisfatória e assim poderia citar uma lista interminável de questões que me trazem e que podem estar determinando o aumento de peso.

Cada indivíduo é único, e vivenciará as situações de suas vidas da forma mais adequada dentro de suas possibilidades.

Abaixo tem uma lista de situações que podem levar você a comer em função de suas emoções:

- Sente um prazer imenso quando come, e perde totalmente o interesse por outras atividades;

- Come desenfreadamente, sem se preocupar com a qualidade da alimentação;

- Não come nos horários adequados e muitas vezes o faz escondido de outras pessoas;

- A baixa auto estima e a falta de cuidados com o corpo e a saúde, faz com que a situação vá se agravando;

- Tem a ilusão de que estar magra acabaria com seus problemas e que poderia ser feliz;

- Procura uma forma mágica de perda de peso, colocando fora, no outro a responsabilidade por emagrecer.

Identificando essas questões em seu processo de sobrepeso e obesidade, é importante procurar ajuda de profissionais habilitados para ajudá-lo a perder peso, alcançar um estado de saúde e equilíbrio, como a nutricionista, educador físico e um psicólogo. A obesidade é uma doença e temos que tratá-la com responsabilidade e seriedade, só assim poderemos emagrecer com assertividade.

Luciana Kotaka - Psicóloga Clínica CRP -8/-6502-1

Especislista em Obesidade e Transtornos Alimentares

www.lucianakotaka.com.br

Curitiba-PR

1 comentários:

A Minha Perda de Peso disse...

Absolutamente verdadeiro :)

13/12/10
Este Blog tem a função de transmitir informação e NÃO faz parte de uma consulta com profissionais. É preciso saber que a individualidade existe e que não é tudo que funciona para todo mundo. Informe-se e procure um profissional na hora de aplicar a informação!
Obrigada a todos que passam por aqui!