23 de ago de 2010

Gastroplastia - Prós e Contras

Gastroplastia, cirurgia de redução do estômago, bariátrica, da obesidade...todos estes nomes se referem a um procedimento que diminui o tamanho do estômago, e isolando a parte maior, que passa a não seu utilizada mais no processo de digestão. Existem indicações para esse tipo de cirurgia, e aqui estão elas: - Pacientes com Índice de Massa Corpórea (IMC) acima de quarenta (+ de 40); - Pacientes com IMC acima de 35 que possuem co-morbidades médicas (hipertensão arterial, diabetes, colesterol elevado, entre outras); - Não ser alcoólatra ou usuário de drogas; - Falha no tratamento clínico (o paciente deve ter tentado os outros tratamentos); - Obesidade estável nos últimos dois anos; - Não ser portador de doença grave ou condição que contra-indique a cirurgia; - Ter compreensão dos riscos e consequências da cirurgia. Os tipos de mecanismo das cirurgias bariátricas são muitos, e podem ser classificados como: - Totalmente Restritivos: Causam restrição do estômago. Banda Gástrica Ajustável, Cirurgia de Mason e Cirurgia de Sleeve; - Mistos e Predominantemente restritivos: os desvios gástricos como o Bypass Gástrico com e sem anel; - Mistos e Predominantemente disabsortivos: as derivações bileopancreáticas (Duodenal Switch, Scopinaro); - Totalmente disabsortivo: Bypass Jejuno-Ileal (essa cirurgia foi proibida por complicações relacionadas à alça exclusa). O paciente deve ser aprovado numa bateria de exames e avaliações de profissionais, a começar com a consulta com o médico cirurgião. É ele quem determina a necessidade da operação. Os cuidados devem começar muito antes da cirurgia. Consultas a uma equipe multiprofissional (médico, nutricionista e psicólogo) são fundamentais. Isso porque as modificações na alimentação e no estilo de vida do paciente devem começar numa fase bem anterior, para que ele tenha tempo de se habituar à nova rotina que será imposta depois da redução. As relacionadas a alimentação são: comer devagar, mastigar bem, reduzir os intervalos entre as refeições e saber selecionar os alimentos. A redução de peso obtida pela gastroplastia é tipicamente de 20 kg ou mais. Os benefícios da gastroplastia incluem redução em fatores de risco para mortalidades decorrentes de diabetes, hipertensão, doença cardíaca e certos tipos de câncer. As principais alterações encontradas nos pacientes operados, segundo um estudo de revisão bibliográfica, são: redução em quase 90% dos casos de asma e síndrome da apnéia do sono, diminuição das pressões sistólicas e diastólicas com consequente diminuição do risco de hipertensão arterial e infarto do miocárdio, diminuição acentuada do colesterol total, dos triglicérides, do ácido úrico e aumento da fração HDL do colesterol, diminuição importante das taxas de diabete melito e do risco de aparecimento da doença nos não diabéticos, aumento da auto-estima, melhora do relacionamento social, diminuição da ansiedade e da depressão. Importante frisar que a gastroplastia é uma cirurgia de grande porte. Como toda cirurgia deste nível, tem seus riscos. As principais complicações são: fístulas, embolia pulmonar, atelectasia, infecções, seromas, paradas cardíaca e respiratória, retirada do baço em caso de sangramento, complicações com a anestesia e dobras do intestino. Após a cirurgia, pode ocorrer queda de cabelos, mal estar, anemia, dores articulares, vômitos, diarréias, intolerância a certos alimentos, síndrome de Dumping, hérnias, gases, dores no corte da cirurgia, estenose, entre outras. Em conclusão, são muitos os benefícios que a perda de peso nos pacientes operados traz. Em acompanhamento a longo prazo, foram constatadas melhorias em nível cardiológico, respiratório, endócrino e psicológico. As complicações também são comuns e geralmente estão associadas a deficiências nutricionais e complicações gastrointestinais. Cabe a equipe multiprofissional selecionar os casos de obesidade aonde a relação benefício versus risco prevaleça nitidamente em favor da primeira.
Dra. Giuliana Bastos Esteves Nutricionista www.nutrigiuliana.com.br

1 comentários:

ANA LÚCIA disse...

Boa postagem. Conheço pessoas que fizeram a cirurgia e tiveram problemas por falta de adequação e tenho uma vizinha que após a cirurgia emagreceu demais e está com a saúde abalada. Realmente tem que haver muito esclarecimento sobre o assunto que é sério!
Abçs,
Ana

23/8/10
Este Blog tem a função de transmitir informação e NÃO faz parte de uma consulta com profissionais. É preciso saber que a individualidade existe e que não é tudo que funciona para todo mundo. Informe-se e procure um profissional na hora de aplicar a informação!
Obrigada a todos que passam por aqui!