5 de out de 2010

Bulimia,um estado de alerta

bulimia_289180731_std

Cada vez mais foco da atenção dos profissionais da área da saúde tem se direcionado para os Transtornos Alimentares,isso se justifica pelo aumento significativo dessas doenças, e o alto grau de morbidade e mortalidade.

Muito se fala da anorexia, e os riscos aparentes que se apresenta, porém pouco se fala da bulimia, que vem aumentando de forma silenciosa, o que dificulta aos familiares perceberem a doença em curso.

Isso ocorre pois a auto indução dos vômitos, o uso de laxantes e diuréticos, são comportamentos realizados quando o sujeito está sozinho, e a perda de peso não é significativa,o que acaba por contribuir para a evolução silenciosa da doença.

Percebemos com freqüência que o sujeito acredita que pode eliminar com a utilização desses métodos toda comida ingerida, e utiliza a purgação como forma de compensação, como se com esse comportamento fosse realmente eliminar não só a grande quantidade de calorias que ingeriu, mas também diminuir sua culpa.

Esse ciclo se torna uma rotina, e quando o sujeito se propõe a romper com esses comportamentos, acabam por se frustrarem , sentem-se humilhados e acabam por reiniciar ciclo bulímico.

A Bulimia se caracteriza tanto pela ingestão exagerada de alimentos, como períodos de restrição( jejum prolongado), este último sendo disparador e mantenedor de episódios de voracidade, que geralmente são alimentos ricos em gorduras e carboidratos, nas quais nem sempre se utilizam de talheres , colocando a comida para dentro sem prestarem atenção no que comem, ao gosto ou textura do alimento.

Outro aspecto importante é a voracidade que apresenta nas suas relações interpessoais, pois demanda com a mesma intensidade, o afeto e a atenção , em outros momentos o distanciamento,que mostra a mesma dinâmica do comer e vomitar (quer e não quer).

Importante esclarecer que esta doença também leva a óbito, mesmo que a porcentagem seja baixa, várias situações estão envolvidas nesse processo, como o suicídio, pneumonia combinada com problemas cardíacos, reação hipertensiva decorrente da ingestão medicamentosa, e o peso corpóreo.

Luciana Kotaka

www.comportamentomagro.com.br

Psicóloga-Curitiba -PR

4 comentários:

Lucy Britto disse...

Olá li vários de seus posts e me identifiquei com muitos deles
adorei as informações e as dicas tbm
seja muito bem vinda em meu espaço
http://percapeso-ganhefelicidade.blogspot.com/
bjs....

5/10/10
Escrever para Emagrecer disse...

Olá, querida!

Coloquei ontem essa informação no meu BLOG. Se vc puder divulgar, é ótimo para quem mora em São Paulo ou perto de lá:
Obesidade infantil: tratamento gratuito em São Paulo.

Mais detalhes estão no meu blog.


Beijos!

Solange
http://escrevepraemagrecer.blogspot.com/

6/10/10
Lugreen disse...

Olá!
Bulimia para mim é pior que a aneurexia...pois como vc mesma disse é silenciosa e solitaria, sofri com ela por mais de 20 anos... n o meu caso, era o jejum prolongado, só mesmo com terapia e muito amor proprio e de Deus, é que pude me curar.
A informação é a muito importante!
Obrigada

7/10/10
Víh disse...

A Bulimia leva a morte sim.
Conheço uma família que perdeu uma ente querida, jovem, 28 anos, como consequência da Bulimia. Como é uma doença silenciosa, e na minha opnião, muitas famílias fazem vista grossa, esta jovem sentiu-se mal, foi andando para o hospital. E em três dias veio a óbito. Aparentemente ela não tinha nada, parecia ser saudável, mas não era. Os anos de bulimia cobraram caro.
Outro caso famoso é da Terri Schiavo, que teve parada cardíaca devido a perda de potássio, associada a Bulimia e ficou em estado vegetativo por longos anos.
É uma doença cruel, que mata de forma silenciosa e mascarada.

14/2/11
Este Blog tem a função de transmitir informação e NÃO faz parte de uma consulta com profissionais. É preciso saber que a individualidade existe e que não é tudo que funciona para todo mundo. Informe-se e procure um profissional na hora de aplicar a informação!
Obrigada a todos que passam por aqui!